Bahia

Eunápolis: Defensoria pede prisão domiciliar para 180 presos ‘empilhados’

11/01/2017 - às 12:01h
Por Bell Kojima

imagem-ilustrativa

A DPE-BA (Defensoria Pública do Estado da Bahia) divulgou nesta terça-feira (10) que pediu à Justiça a concessão de prisão domiciliar para mais de 180 internos que estão no Conjunto Penal de Eunápolis, no extremo sul da Bahia, devido à superlotação da unidade.

   O órgão afirma que 113 presos estão “empilhados” em ambiente “insalubre e degradante” e são obrigados até a fazer revezamento para dormir.

Além da concessão da prisão domiciliar para esses detentos, a Defensoria também pede que outros cerca de 70 detentos do regime semiaberto que estão custodiados no mesmo local que os internos do regime fechado também cumpram pena em casa. A Defensoria recomendou a interdição total dos locais denominados “Seguro A e B“, assim como da cela 23-A, em razão, conforme o órgão, da incompatibilidade de estrutura dos locais com o que determina a Lei de Execução Penal.

O DPE pede que sejam realizadas obras de infraestrutura e ampliação nos locais, e que os presos dos setores sejam inseridos em prisão domiciliar ou remanejados para outros locais. As duas repartições do Conjunto Penal intituladas de “Seguro A” e “Seguro B” e a cela 23-A são compostas por quatro celas cada.

   Segundo a DPE, deveriam comportar, no máximo, dois internos por cela, ou seja, um total de 16 pessoas.

Contudo, de acordo com órgão, foi constatado que nesses locais estão mais de 113 internos.

O Conjunto Penal de Eunápolis é o único da cidade, e é destinado a presos do sexo masculino condenados e, excepcionalmente, a presos provisórios, das comarcas de Eunápolis, Belmonte, Itabela, Itapebi, Porto Seguro, Guaratinga, Itagimirim e Santa Cruz Cabrália. Conforme a DPE, as irregularidades no local foram constatadas após a realização de uma visita para fiscalização, no dia 3 de outubro de 2016.

   Na ocasião, segundo o órgão, o defensor público Fábio Gonçalves Fonseca constatou “flagrantes de desrespeito aos direitos humanos dos custodiados“.

Conforme a assessoria da Defensoria, o pedido à Justiça só foi feito agora, quase três meses após a visita, devido a trâmites burocráticos do processo. As alas consideradas irregulares, conforme a Defensoria, são destinadas aos presos que não podem conviver com os demais, em decorrência de ameaças de morte. Esses detentos, de acordo com o órgão, são, geralmente, os primeiros a serem atacados em motins, como ocorreu em 2014 na unidade. Na ocasião, seis internos foram mortos e sete ficaram feridos.

A DPE também informou que pediu à Justiça a proibição de entrada de novos internos no Conjunto Penal de Eunápolis.

   Em nota enviada à imprensa, o defensor Fábio Fonseca disse que o sistema carcerário brasileiro encontra-se em “situação sensivelmente trágica” e que a situação só vem à tona quando ocorrem “massacres” como os do Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, onde 56 presos foram mortos durante uma rebelião, no dia 1º de janeiro.

Em nota, a Seap (Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização) informou que sempre cumpriu e cumprirá qualquer determinação judicial, porém, ainda não houve nenhum posicionamento da Vara de Execuções Penais ou do Tribunal de Justiça da Bahia para que a Seap atenda a solicitação da Defensoria.


 

Compartilhe:

Deixe seu comentário



APOIO:

Agência Publicitária RC Comunicação

073 99985-0223 / 98839-3445
Fale com a gente
Receba notícias por email