Bahia

Itamaraju: APLB denúncia jornada abusiva de trabalho e perseguição da secretaria

31/10/2017 - às 16:10h
Por Bell Kojima

A APLB Sindicato dos Trabalhadores em Educação, núcleo de Itamaraju, denunciou nesse final de semana, através de sua página oficial no Facebook a jornada abusiva de trabalho a qual os servidores não-docentes da Secretária Municipal de Educação e Cultura (SEC) estão sendo submetidos. Em vídeo, o coordenador do sindicato, professor Noel Vieira, afirma que as merendeiras e auxiliares de serviços gerais estão sendo obrigadas a cumprir jornada de trabalho de 11 horas por dia, sem receber pelas horas adicionais.

O abuso, qualificado pelo sindicalista como “semiescravidão”, teve início neste mês de outubro, após as demissões em massa promovidas pelo Município que atingiu principalmente a SEC.

   “É inconcebível exigir que o trabalhador, que faz o serviço mais pesado da Educação Municipal, trabalhe três horas a mais por dia, sem receber adicional, para suprir a deficiência no quadro de servidores, por causa da incompetência administrativa da gestão pública”, desabafou o sindicalista.

Ainda segundo o sindicato, a Administração Municipal está perseguindo servidores da SEC, transferindo-os de uma escola para outro ilegalmente.

   “O servidor só pode ser transferido se ele próprio pedir ou se concordar em trabalhar noutra escola. O que estão fazendo é arbitrário e autoritário, no objetivo único de perseguir os profissionais que fazem o enfretamento aos desmandos dessa gestão”, acusou, Noel.

O professor ainda disse que já acionou o prefeito Marcelo Angênica e a secretária de educação, Juciara Pires (esposa do vice-prefeito) exigindo que as irregularidades sejam corrigidas.

   “Caso nosso apelo não seja atendido, iremos ingressar com ação no Ministério Público”, ameaçou.


Por Daniel Borges

Edição Bell Kojima


 

Compartilhe:

Deixe seu comentário



APOIO:

Agência Publicitária RC Comunicação

073 99985-0223 / 98839-3445
Fale com a gente
Receba notícias por email