Geral

Marido questiona grávida que sumiu e reapareceu sem o bebê


Moradora desapareceu quando foi procurar ajuda médica. ‘Eu sentia o bebê mexer’, diz companheiro. Polícia Civil investiga o caso.


14/02/2018 - às 09:02h
Por Repórter Coragem

O marido da moradora de Várzea Paulista (SP) que sumiu e depois foi localizada em Jundiaí sem a barriga de grávida ou o bebê procura explicações sobre o que pode ter acontecido. O caso é investigado pela Polícia Civil.

Amigos e familiares chegaram a criar uma campanha nas redes sociais para encontrá-la no período que ficou desaparecida. O G1 tentou contato com a mulher, mas ela relata que só irá se pronunciar para a polícia. Ela e o marido moram juntos, mas não estão mais casados.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Marcel Fehr, em depoimento à Polícia Civil um dia após sem encontrada, em dezembro de 2017, a mulher disse estar confusa e contou aos parentes que o bebê morreu, mas não tinha nenhuma documentação para comprovar a morte.

O companheiro dela, que preferiu ter a identidade preservada, disse que trabalhava no dia 16 de dezembro quando a mulher teria sentido dores e procurado ajuda na unidade de saúde do município, antes de ser transferida para um hospital, quando sumiu.

“Ninguém sabe o paradeiro [do bebê]. O que eu sei é o que todo mundo sabe. Eu, como pai, quero saber de fato o que aconteceu. Tenho esperança que ele [bebê] possa estar vivo com alguém. Está na mão da Justiça, que descubram o que de fato aconteceu nesse mistério”, diz.

Em nota  o Hospital Universitário de Jundiaí confirmou que a paciente passou por atendimento no pronto-socorro ginecológico, mas o atendimento ocorreu apenas no domingo, dia 17 de dezembro, às 17h58, quando já tinha sido encontrada. A unidade hospitalar não revelou detalhes do atendimento por sigilo médico.

‘Não tem lógica’

Ainda segundo o marido, a mulher estava para dar à luz quando ela passou mal e procurou ajuda médica, antes de desaparecer. Ela chegou a publicar algumas fotos no Facebook para mostrar a barriga.

“Eu sentia o bebê mexer, as irmãs dela sentiam também. Nós iamos comprar berço, comida e roupas. Não íamos gastar tudo isso. Não tem lógica falarem que ela não estava grávida”, diz o marido.
A mulher prestou depoimentos na delegacia da cidade e exames foram pedidos pelo Instituto Médico Legal (IML).

Compartilhe:

Deixe seu comentário



APOIO:

Agência Publicitária RC Comunicação

073 99985-0223 / 98839-3445
Fale com a gente
Receba notícias por email